sábado, 20 de setembro de 2008

Inspeção PIG



Introdução

Quem trabalha na área de inspeção ou já estudou ensaios não destrutivos deve conhecer a maioria dos processos de inspeção como LP(líquidos penetrantes), ultra som , Raio X , gamagrafia e outros , Imagine fazer uma inspeção em oleodutos feito de segmentos de tubos de aço carbono soldados , com diâmetros entre 200 e 500 mm é algo que irá demandar muito tempo e mão de obra qualificada com os ensaios convencionais, agora imagine fazer a limpeza e inspecionar toda essa tubulação de um única vez è isso que a inspeção PIG faz . Um pig utiliza sensores e outros instrumentos para coletar dados relativos às condições das paredes enquanto se move pelo interior da tubulação, para que possam ser localizadas possíveis falhas causadas por corrosão ou fraturas, isso em centenas de quilômetros.

Estrutura

A estrutura mecânica é composta por uma cápsula cilíndrica apoiada entre dois suportes constituídos por discos de borracha. Dentro da cápsula estão os circuitos eletrônicos e as baterias do pig. Os suportes de borracha mantêm a cápsula centralizada na tubulação. A pressão do fluido atua sobre o suporte traseiro e impulsiona o pig pelo oleoduto.
O pig conta com uma pequena roda que aciona um odômetro(equipamento destinado a medir distancia) para estimar a distância percorrida. A ação de uma mola mantém a roda do odômetro em contato com a parede do oleoduto. O odômetro fornece um pulso elétrico a cada 100 mm de deslocamento do pig.
A cápsula pode girar livremente em torno do eixo longitudinal do pig, que tem o centro de gravidade abaixo desse eixo para manter os transdutores de ultra-som voltados para baixo, ou seja, face à seção das paredes onde há maior incidência de corrosão.
Os transdutores(cristais piezoelétricos) são utilizados para medir a distância entre eles e a parede interna da tubulação usando a técnica de pulso-eco. Um transdutor emite um pulso de ultra-som, que se propaga pelo fluido dentro da tubulação até se refletir na parede interna do tubo. Após emitir o pulso, o transdutor passa a funcionar como receptor para transformar o eco que retorna a ele em um sinal elétrico.




Hardware

O pig é munido de um computador de bordo, composto por uma placa processadora . Trata-se basicamente de uma placa-mãe AT/ISA, com alto nível de compactação. O processador utilizado é um Intel 486 DX2 de 66 MHz, com 4 megabytes de memória disponível. O sistema de armazenamento secundário é constituído por um disco rígido padrão IDE de 2,5 gigabytes.
A interface com os transdutores de ultra-som é feita por cartões dedicados desenvolvidos para este projeto. Os cartões são responsáveis pela excitação dos transdutores em modo multiplexado. A excitação de cada transdutor é feita por um pulso estreito de 250V com duração de 50 ns, através de um driver MOSFET. A recepção é feita através de um pré-amplificador de eco com circuito de proteção da entrada. O tempo de trânsito do eco é medido através de um contador de 12 bits, operando com um oscilador de 10 MHz. Essa cronometragem permite uma resolução de aproximadamente 0,08 mm na determinação da profundidade de um alvéolo, admitindo-se uma velocidade de propagação c igual a 1.500 m/s.

Obtenção de dados

Após percorrer todo o trajeto da tubulação o PIG é expelido da tubulação e posto em comunicação com computador “externo” , seja serial ou Wi-fi todos os dados coletados durante o seu trajeto na tubulação serão plotados no computador dando informações precisas das descontinuidades e até mesmo tensões residuais nas tubulações em forma de isolinhas (elementos finitos).

Para mais informações a respeito Inspeção PIG consultar o site :
http://www.poli.usp.br/Pig/introducao.html

14 comentários:

luis bueno disse...

Um blog específico para quem gosta de engenharia, física e afins. Gostei da explicação sobre o LHC. Abraço.

http://carlosbueno.zip.net/

Chris disse...

Cara, eu não entendo nada sobre o assunto, mas para quem gosta, é um blog interessante...

Leonardo disse...

Também não entendo nada desse assunto...
Mas num deixo de dizer que o blog é interessante....

Abraços!

marcio disse...

Porra, muito de fuder essa parada aí...
Viva a tecnologia.

www.tenhoteoria.blogspot.com

Ane disse...

Interessante!! Tenho vários amigos que fazem engenharia!! Vou divulgar o blog pra eles!! =)

Thiagoes disse...

Tudo bem Engenheiro ??

Legal esse blogger,Engenharia é interessante pra caramba,Doidera !!

Abraço !!

roas77 disse...

me desculpe .. não entedi nada ..

não sei oq comentar ..

Abç.. e sucesso .. engenheiro!! rs

sombriaelegancia2 disse...

Tô recomendando o blog para o meu irmão que está querendo entrar na Mecânica.

Prii Persi disse...

Como a maioria, não saco nada de engenharia... mesmo assim, inevitável dizer, que é um blog completíssimo, muito interessante. ^^

beijos, ;)

sombriaelegancia2 disse...

Muito interessante cara!
Como um interessado/entusiasta por EngMec eu entendi boa parte..
Só fiquei estasiado de ser um 486 66mhz que faz o processamento de dados do PIG!

Parabéns pelo blog e poste mais!

Abraço!

Elton D'Souza disse...

Blog interessante, tbm faço eng, estou no começo do curso.

Ramón Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ramón Carlos disse...

Interessante, houveram melhorias no "porquinho"...esse projeto nasceu na Petrobrás, aliás uma pergunta:a Petrobrás ainda detem os direitos do projeto? Muitos estrangeiros vieram ao Brasil acompanhar os testes dos tupiniquins e surpreenderam-se com os resultados..."OHH Indians know how to think, this is not good..."
A Petrobrás paga para terceiros realizarem os testes ou COMPRA sua própria tecnologia?.....

Ramón Carlos disse...

Mesmo após minha espetada, eu parabenizo os colegas pelo blog...muito bom! na presa eu não li tudo sobre o nosso ilustre "porco". As ondas usadas nos ensaios são longitudinais ou transversais? (acho que é obvio mas ...)